Guias

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Redução da velocidade no trânsito!

Cambrigdge, cidade inglesa próxima a Londres, está investindo nessa idéia. Motoristas estão sob uma forte repressão nos novos limites de velocidade estabelecidos, e tudo isso para incentivar a utilização da bicicleta deixando o uso do automóvel para quem realmente precisa. Após a determinação dos limites nas avenidas centrais, agora é a vez da periferia. Pois bem, eles estão realizando um mega-investimento de sistema cicloviário e de novas regras capazes de persuadir e incentivar mais pessoas a trocar o carro pela bicicleta. Fica claro que, mesmo em cidades médias onde o trânsito corre livre, é possível a tomada de decisões antecipadas para o controle e melhoria da mobilidade nos centros urbanos. No Brasil se costuma agir após anos e anos de problemas acumulados por ingerências absurdas da administração pública. O transporte público fica em segundo plano, as alternativas que aliviam o fluxo de veículos nas médias e grandes cidades são meramente esquecidas, a maior parte de investimentos da área se desviam no percurso e toda uma população vê crescer o câncer crônico da desordem no tráfego de veículos já em pequenas cidades do país, um absurdo! Soluções existem e estão espalhadas em várias partes do mundo, mas será preciso a força da população para a tomada de decisões a seu favor. Com uma simples redução de velocidade dos automóveis e os devidos mecanismos de fiscalização já é possível se obter vantagens com o desestímulo do uso do carro em viagens curtas na cidade. De nada adianta sentar à beira da praça e ver a vida passar a toda velocidade!

2 comentários:

Rogério Leite disse...

dj... MENOS UM CARRO, blog de Portugal, publicou hj post semelhante ao teu, com alguns estudos interessantes: a REDUÇÃO de 1km/h na velocidade das ruas, equivale a 3% a menos de acidentes. Os dados são ingleses e holandeses, mas justamente porque isto é feito lá, acredito que seja bem feito. Lá eles se ferram se publicam besteiras, logo, deve ter sido bem embasado em pesquisas! Concordo totalmente com vc.

DJANILSON disse...

Muito bem Rogério, achei o post bem interessante! É isso mesmo, não tem como fugir de estatísticas reais.