Guias

domingo, 2 de maio de 2010

Partes Íntimas: Fique sabendo!

Por se tratar de um tema tão pouco explicado aos praticantes do ciclismo, encontrei um pequeno artigo bastante interessante publicado pelo EART – Equipe de Aventuras Ratos de Trilha no dia 19/11/2009. É antes de tudo um assunto abordado de maneira esclarecedora com depoimentos de especialistas, portanto espero que sirva de base para outras pesquisas para os meus amigos e cicloleitores. Aqui segue o texto em sua íntegra:

Não é de hoje que os ciclistas escutam falar que a prática do ciclismo pode causar impotência sexual nos homens ou diminuir a sensibilidade sexual nas mulheres. Apesar de o assunto gerar polêmica entre especialistas da área de urologia e ginecologia, algumas pesquisas realizadas americano Journal of Sexual Medicine concluíram que a pressão exercida pelo selim da bicicleta no períneo – região do corpo situada entre o ânus e o osso púbico – pode trazer problemas genitais em ambos os sexos. Ma os amantes do esporte sobre duas rodas não precisam entrar em desespero, pois eles podem ser evitados se alguns cuidados forem tomados.
 Não dispense o conforto
A maioria dos problemas nas partes íntimas que podem ser causados pela prática do ciclismo são facilmente evitados com o uso de um equipamento adequado e que propicie conforto. “Pode parecer algo básico, mas o cuidado com a bermuda é muito importante. O ciclista precisa escolher um modelo confortável, que tenha um bom forro. Os cuidados básicos com a higiene também são indispensáveis”, disse Rogério Muller, treinador da Rogério Muller Assessoria Esportiva.
Procure também optar por selins mais confortáveis, de preferência de gel ou silicone, pois os acolchoados podem sofrer deformações e exercer o aumento de pressão em locais impróprios. “O selim deve estar sempre reto, paralelo ao solo. Ele não pode ficar caído para frente nem com a ponta muito elevada, pois isto aumenta a pressão sobre a região do períneo”, orientou Rogério, que completou: “A largura do selim também é algo importante, a ponta muito fina aumenta a pressão, e uma muito grossa pode provocar assaduras nas pernas, principalmente em pessoas que possuem as coxas muito grossas”
Outros cuidados que podem ser tomados durante o pedal é ficar em pé na bicicleta durante trechos muito acidentados, pois isto evita o impacto provocado pelos solavancos, e procure parar para descansar sempre que for percorrer longas distâncias.


As mulheres são de Vênus
Segundo a dr. Eliana Viana Monteiro Zucchi, coordenadora do Ambulatório de Ginecologia do Esporte, da Unifesp, os problemas sexuais nas mulheres causados pela prática do ciclismo são raros com o uso de equipamentos adequados.
“A anatomia da mulher ajuda, pois a região dos grandes lábios protege a vagina. Mas, mesmo assim, as atletas precisam ficar atentas ao uso de materiais adequados, como a bermuda de ciclismo com forro, e um selim que proporcione um maior conforto”, afirmou a ginecologista, que disse ainda que os problemas mais comuns nas atletas são dormência na região vaginal, irritação por causa do atrito, inflamação, dores ao urinar e sangramento. “Quando se percebe que o atrito com o banco da bicicleta começa a incomodar, o ideal é parar e posicionar o banco de uma maneira mais confortável”, completou Eliana.
Quanto à diminuição da sensibilidade na região genital, o professor de ginecologia endócrina e climatério da Escola Paulista de Medicina, Mauro Abi Haidar, acredita que isto não é algo com que as mulheres devem se preocupar. “Na realidade, a sensibilidade em cada parte da genitália varia muito entre as mulheres. Talvez, se a atleta sofresse alguma lesão em determinado local, poderia perder a sensibilidade”, afirmou. “Não existe qualquer problema com a diminuição do prazer sexual desde que não haja nenhum ferimento, que pode gerar certo incômodo”, completou Eliana, que também alertou sobre a importância dos cuidados com a higiene.


Os homens são de Marte
Praticamente todos os cuidados que as mulheres devem tomar também são válidos para os homens, e a maior preocupação entre os atletas do sexo masculino está relacionada aos ricos da prática do ciclismo causar impotência sexual, mas não existem pesquisas que efetivamente comprovem isso.
“Alguns estudos realizados indicaram que a pressão exercida sobre a região pode causar distúrbios de ereção, mas isto não foi realmente comprovado. Além disso, as suspeitas foram levantadas em relação aos atletas profissionais, que percorrem longas distâncias praticamente todos os dias”, explicou o dr. Wagner Morandini, médico urologista e diretor do Instituto de Urologia de Guarulhos.
Outro assunto que “assombra” os homens é a relação do ciclismo com o aumento das chances de se desenvolver o câncer de próstata, mas este é outro “mito” do esporte. “O que pode acontecer é uma elevação do PSA (Antígeno Prostático Específico), que é um índice tumonar da próstata. Uma pessoa mal orientada pode achar que isto é um problema, mas não é. A única recomendação que existe é não andar de bicicleta, a cavalo ou ter relações sexuais dois dias antes de fazer o exame”, orientou Wagner. “O ciclismo também não pode provocar nenhum tipo de problema de circulação sanguínea no órgão sexual masculino, como muitos dizem. O único cuidado que recomendo é o uso de um protetor escrotal, para evitar o risco de qualquer lesão nos testículos em caso de queda, que é algo natural no esporte”, concluiu o urologista.
“Normalmente, as bermudas de ciclismo são de material sintético, que prejudicam a ventilação e a respiração da pele. O ideal é trocá-la por uma roupa de algodão logo após a prática do esporte e fazer uma higienização correta assim que possível”, disse.

5 comentários:

Rogério Leite disse...

DJ... no Pedalando & Olhando eu escrevi um post sobre o assunto, sobre uso das bermudas, com ou sem cueca, com creme hidratante, coisas que ouvi de outros ciclistas quando comecei a pedalar e ainda me incomodava com o selim em longas pedaladas. Acredito que depois de algum uso, criamos "calos" nas partes afetadas e ai a gente nem sente mais o selim. Hj percebo o meu perfeitamente encaixado quando pedalo. Pior que isto só a questão da lycra, eu preferia que a bermuda fosse de algodão, mas ele não tem as características adequadas de elasticidade para se adaptar bem e ficar bem no corpo enquanto se pedala. Então não tem jeito mesmo, é lycra!

DJANILSON disse...

Olá Rogério, vi seu post e achei muito interessante as discussões que vieram à tona!Espero que muito mais matérias venham a nos engrandecer com um assunto tão relevante para nós que utilizamos a bike. Gde abç!

Bikelando disse...

Excelente artigo!! Acho importantíssimo escolher uma boa bermuda, com o melhor forro que encontrar e o selim que mais te agrade. Pessoalmente só me sinto incomodada quando pego a bike pra viajar mesmo, percorrer longas distâncias por dias seguidos ... fica complicado, por melhor que seja a roupa e equipamento, não sentir o impacto do esforço. O ideal é ter tempo pra descansar adequadamente e deixa o corpo "respirar".

DJANILSON disse...

Antes de mais nada, obrigado pela contribuição de sua opinião sobre o post. Também acredito que o descanso é fundamental em nossa atividade, mas que nem sempre é possível quando se pega uns 4 dias de estrada, por exemplo! Venho testando alguns selins e minha preferência ainda é pelos mais largos, já bermudas mais confortáveis estão pelos olhos da cara! Gde abraço!

O Instalador disse...

Bem com relaçã aos disturbios de ereção eu concordo, pois percorro de segunda a sábado 20km para o trabalho e 20km de volta para casa e quando chego em casa aproximadamente 20 minutos depois começo a ficar com vontade e nem sempre a minha esposa está disponível, (filhos) não consigo dormir direito por causa da vontade.