Guias

sexta-feira, 23 de julho de 2010

A Natal de 2014!

Os últimos três dias foram passados em meio aos ofícios do trabalho na cidade de Natal, capital potiguar! As poucas oportunidades de botar o olho na rua foram criteriosas na observação do transporte e circulação urbana. Costumeiramente essas visitas ocorrem umas quatro ou cinco vezes por ano, mas dessa vez a percepção da desorganização do trânsito foi mais evidente e provavelmente por se tratar de um período da alta estação. Fiquei imaginando aquilo na Copa do Mundo em 2014. O aumento de automóveis nas ruas é cada vez mais absurdo. O natalense parece usar o carro para tudo! As belezas da capital potiguar são impressionantes com seus morros de dunas já praticamente invadidos pelas construções, mas essa topografia em nada me agrada quando o assunto é mobilidade. Ruas e avenidas que se situam nos altos e baixos desses morros tornam a circulação de bicicletas e automóveis ainda mais complicados. Sinto-me cada vez mais feliz por morar numa cidade plana e menor! Os problemas urbanos bem que poderiam estar sendo planejados para daqui a quatro anos naquela cidade. Os congestionamentos serão os grandes problemas, mas sempre há esperança de algo melhor para o período pós-Copa. A Via Costeira de lá está sendo ampliada e beneficiada com uma ciclofaixa compartilhada na calçada de pedestres, achei uma boa idéia! Antes havia ali uma ciclovia horrível! É bastante extensa, mas está longe da serventia necessária aos usuários de bicicletas que precisam ir ao trabalho, por exemplo. Parece-me algo destinado apenas ao lazer, pois registrei apenas dois ciclistas num percurso de uns 8 kms realizados. Acredito na possibilidade de melhorias em decorrência do mega-evento que é a Copa, mas será preciso a intervenção das diversas camadas da sociedade para um melhor aproveitamento desses recursos em prol da população. É bom que se tenha em mente que o transporte interfere também na saúde pública, pois respondem por lesões decorrentes de acidentes de trânsito, problemas respiratórios, obesidade associada à redução da atividade física e perturbações causadas pelo ruído. Os grupos mais vulneráveis incluem crianças e idosos, bem como ciclistas e pedestres. O estímulo ao transporte coletivo e a redução de veículos circulantes é, certamente, a mais importante dessas ações.

2 comentários:

Rogério Leite disse...

dj... PROXIMA VEZ LEVA A CÂMERA e faz umas fotos das cicloinfraestrutura de Natal! Tem um ano e pouco que estive por lá e acredita que não vi nenhuma ciclovia. Devia estar cego, com certeza não lembro de nada na orla que parecesse ciclovia! Só lembro da ponte nova, porque era a novidade da viagem! QQ forma, fotografe... a gente precisa estar preparado para não encontrar nada. Faz como o que fiz em Maceió!

DJANILSON disse...

Pois é Rogério, esse foi meu pecado! Certamente irei mais preparado da próxima vez. Valeu pelas dicas...gde abraço!